A mui leal e heroica: fiscalidade e a Alfândega do Rio de Janeiro no pós-Restauração (1640–1668)

Autores/as

  • Helena de Cassia Trindade de Sá Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22380/2422118X.2223

Resumen

Durante sessenta anos (1580 - 1640), Portugal e seus demais territórios estiveram na órbita da monarquia hispânica. Entretanto, o crescente descontentamento com o governo dos reis espanhóis deu força ao movimento pela Restauração do trono português, que chegou ao ápice com a aclamação do Duque de Bragança como D. João IV, rei de Portugal e Algarves. É nesse contexto de mudanças, marcado pela reorganização da exploração econômica no ultramar e constituição do sistema colonial, que buscaremos analisar a fiscalidade e a Alfândega do Rio de Janeiro.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Aidar, Bruno. “Poder regional e fiscalidade na capitania de São Paulo, 1723-1808”. Anais... XI Congresso Brasileiro de História Econômica. Vitória: ABPHE; UFES, 2015.

Alden, Dauril. “Vicissitudes of trade in the Portuguese Atlantic Empire during the first half of the eighteenth century: a review article” The Americas 32.2 (1975): 282-291.

Alencastro, Luiz Felipe. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Almeida, Maria Regina Celestino. “Escravidão indígena e trabalho compulsório no Rio de Janeiro colonial” Revista Mundos do Trabalho 6.12 (2014): 11-25.

Araújo, Luiz Antônio Silva. “Contratos, comércio e fiscalidade na América portuguesa (1641-1730)” em Guerra e fiscalidade na Ibero-América colonial (séculos XVII-XIX). Coords. Ángelo Carrara et. Al. (Juiz De Fora: Ed UFJF, 2012).

Barros, Edval de Souza. “Negócios de tanta importância: o Conselho Ultramarino e a disputa pela condução da guerra no Atlântico e no Índico (1643-1661)”. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2004.

Bicalho, Maria Fernanda. A cidade e o império: o Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

———. “As tramas da política: política, conselhos, secretários e juntas na administração da monarquia portuguesa e seus domínios ultramarinos”. Na trama das redes: política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. João Fragoso et. Al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

———. “As câmaras municipais no Império português: o exemplo do Rio de janeiro”. Revista Brasileira de História 18.36. (1998).

———. “Entre a teoria e a prática: dinâmicas políticos e administrativas em Portugal e na América portuguesa. (séculos XVII e XVIII)”. Revista de História 167 (2012): 75-98.

Bluteau, Rafael. Vocabulário português & latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1728.

Botelho, Alfredo Sousa. Subsídios para a história das guerras de Restauração no mar e além-mar. Lisboa: Agência geral das colônias, 1940.

Boxer, Charles. Salvador de Sá e a luta pelo Brasil e Angola. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973.

Caetano, Marcelo. Do Conselho Ultramarino ao Conselho do Império. Lisboa: Agência Geral das Colônias/Editorial Ática, 1943.

Caldeita, Jorge. A nação mercantilista: ensaio sobre o Brasil. São Paulo: Editora 34, 1997.

Carrara, Angelo Alves. Receitas e despesas da Real Fazenda no Brasil. Juiz de Fora: Editora UFRJ, 2009.

Coaracy, Vivaldo. O Rio de Janeiro no século dezessete Rio de Janeiro: José Olympio, 1965.

Costa, Leonor Freire, et. Al. “A Circulação do Ouro do Brasil: 0 Direito DO 1o/o” Working Papers GHES - Office of Economic and Social History (2002).

Cruz, Miguel Dantas da. Um império de conflitos: o Conselho Ultramarino e a defesa do Brasil. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2015.

Escudero, José Antonio. El Rey: História de la monarquia v. 1. Barcelona: Planeta, 2008.

Ferreira, Letícia dos Santos. “É pedido, não tributo: o Donativo para o casamento de Catarina de Bragança e a paz de Holanda. (Portugal e Brasil, c.1660-c.1725)”. Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense, 2014.

Figueiredo, Luciano Raposo de Almeida. “Equilibrio distante”. Varia História 32 (2004): 144-175.

———. “Revoltas, fiscalidade e identidade colonial na América portuguesa: Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais, 1640-1761”. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, 1996.

França, Eduardo D’Oliveira. Portugal na época da Restauração. São Paulo: HUCITEC, 1997.

Freire, Felisbello. História da Cidade do Rio de Janeiro (1564-1808). Rio de Janeiro: Revista dos Tribunais, 1912.

Freitas, Gustavo. “A Companhia Geral do Comércio do Brasil [1649-1720]: subsídios para a História Econômica de Portugal e Brasil” Revista de História (1951): 307-328.

Gama, Maria Luísa Marques da. “O Conselho de Estado no Portugal Restaurado: teorização orgânica e o exercício do poder político na corte Brigantina (1640- 1706)”. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, 2011.

Godinho, Vitorino Magalhães. Ensaios II: sobre a História de Portugal. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1978.

———. “Portugal, as frotas do açúcar e as frotas do ouro”. Revista Vértice 92,93,94. (1951): 69-88.

Loureiro, Marcello José Gomes. “Iustitiam Dare: a gestão da Monarquia pluricontinental. Conselhos superiores, pactos, articulações e o governo da monarquia pluricontinental portuguesa (1640-1668)”. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Ecole des Hautes Etudes em Sciences Sociales, 2014.

Mello, Evaldo Cabral de. O negócio do Brasil: Portugal, os Países Baixos e o Nordeste (1641-1669). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Mendoça, Marcos Carneiro. O Marques de Pombal e o Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1960. ———. Raízes da formação administrativa do Brasil. Rio de Janeiro, IHGB, 1972.

Mont Serrat, Pablo Oller. “O império português no Atlântico: poderio, ajuste e exploração (1640-1802)”. Tese de Doutorado em História, Universidade de São Paulo, 2013.

Puntoni, Pedro. “A Provedoria-mor: fiscalidade e poder no Brasil colonial”. O Brasil na monarquia Ibérica. Ana Paula Meniage et al. São Paulo: Alameda, 2014.

Ricupero, Rodrigo. “O exclusivo metropolitano no Brasil e os tratados diplomáticos de Portugal com a Inglaterra (1642-1661)”. Revista História 176 (2017): 1-33.

Salvador, José Gonçalves. Os cristãos-novos e o comércio no Atlântico meridional. São Paulo: Pioneira/MEC, 1978.

Sampaio, Antônio Carlos Jucá de. Na encruzilhada do Império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c.1650-c.1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

Sanches, Marcos Guimarães. “Fiscalidade e fomento na colonização do Brasil: orientações e contradições”. Anais. XVIII Simpósio Nacional de História, Londrina: ANPUH, 2005.

Silva, José Justino de Andrade. Colleção Chronológica da Legislação Portuguesa. Lisboa: Imprensa de J.J.A. Silva, 1854.

Sá, Helena Trindade de. “A Alfândega do Rio de Janeiro: da União Ibérica ao fim da Guerra da Restauração (ca.1580-ca.1668)”. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2016.

Descargas

Publicado

2018-05-01 — Actualizado el 2018-05-30

Cómo citar

de Cassia Trindade de Sá, Helena. 2018. «A Mui Leal E Heroica: Fiscalidade E a Alfândega Do Rio De Janeiro No pós-Restauração (1640–1668)». Artificios. Revista Colombiana De Estudiantes De Historia, n.º 10 (mayo):29-52. https://doi.org/10.22380/2422118X.2223.

Número

Sección

Artículos